jump to navigation

Formas de amar 21 abril, 2011

Posted by Mônica Góes in Estado de Espírito, Meus Escritos.
Tags: , , ,
trackback

Eu amei da forma que acho que todos os seres humanos deveriam se amar. Hoje acredito que, para amar, não é preciso os arroubos da paixão. O amor se constrói no respeito, na confiança, na cumplicidade, no bem querer.

Eu amei um amor maduro, um amor sem neuroses, sem ciúmes, sem desespero, sem loucuras. Um amor sereno, um amor tranquilo. Um amor que não me faria sofrer. E a bem da verdade, não está me fazendo sofrer agora. Está me fazendo falta. Porque foi o amor que sempre almejei sentir.

Não aquele amor que quando se vai, estraçalha suas vísceras, dói, arde por dentro de tanto pesar e angústia, desespera. É um amor que se resigna pelos dois. Que pondera, que é racional, que equilibra o melhor para o par.

E creia. Não é fácil construir um amor assim. Porque esse amor não se constrói só. O outro tem que lhe dar motivos para amar assim e acreditar neste amor. Ele me deu talvez sem saber. Eu acreditei, eu construi. Mas, lamentavelmente, a maioria das pessoas querem o amor apaixonado, cego, insano, imbecilizado e juvenil. Cheio de energia, tão cheio em si, que explode em atos muitas vezes com um furor momentâneo e a durabilidade das chamas de um palito de fósforo. Que não se sustenta. Que não sobrevive às provas difíceis da vida.

E de antemão aviso: não existem verdades universais. Esta é apenas a minha verdade.

Dirão que esta mulher é seca, sofrida ou sisuda. Mas nesta forma de amar tem alegria sim. Tem o momento bobagem. Tem o carinho, tem a ternura. Mas não tem só isso cem por cento do tempo. E no meu amar, isso não é cobrado, exigido. Isso acontece de repente e por ser natural é tão engraçado. É tão divertido. 

E, num momento piegas, mas indubitavelmente verdadeiro, quando duas pessoas se amam de formas diferentes, devem se cobrar menos e vivenciar mais. E não somente no amor, mas na vida em todas as suas nuances, jamais queira que o outro seja como você gostaria. Vivencia a forma do outro ser. Tolere. 

A questão se prende não nos amores diferentes, mas onde não se aceita o amor do outro como é.  Talvez assim se vá longe. Muito longe. E não se veja parado no meio do caminho à beira da estrada.

Anúncios

Comentários»

1. natali - 14 setembro, 2011

realmente todos nós passamos por essa forma de amor,mas muitas vezes não damos valor,esse texto me fez perceber o quanto estava sendo burra em relação ao amor,e a partir de agora vou viver o meu amor e falem o que quiser pq o q importa realmente é ser feliz….olhe pra cima,ande sempre com sua cabeça erguida e dê valor no que há de melhor e que pode não durar muito tempo que é o amor,por isso faça durar o tempo que conseguir levar esse sentimento em seu coração pq só assim vc terar até o ultimo dia de sua vida os momentos mais felizes da sua vida,por isso lembre sempre de dizer eu te amo…antes que seja tarde de mais.bja natali

Mônica Góes - 18 setembro, 2011

Pois é, Natali! E não se decepcione se o outro não corresponder ou não compreender você. Caso isso aconteça, é porque talvez na fosse a pessoa para os eu coração. Beijos e bem vinda a este cantinho!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: