jump to navigation

Uma contribuição de peso… 11 abril, 2014

Posted by Mônica Góes in Uncategorized.
add a comment

Vinho e Filosofia

Uma contribuição do meu querido professor e “desorientador” de monografia de final de curso da pós-graduação (como ele mesmo se entitula! rssss) Jaime Gama. Simplesmente AMEEEEEEEEEEI!!!!!!!!

“Deve-se estar sempre embriagado. Nada mais conta. Para não sentir o horrível fardo do tempo em que esmaga os vossos ombros e vos faz pender para a terra, deveis embriagar-vos sem tréguas. Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude. À vossa escolha. Mas embriagai-vos. E se algumas vezes, nos degraus de um palácio, na erva verde de uma vala, na solidão baça do vosso quarto, acordais já diminuída ou desaparecida a embriaguez, perguntai ao vento, à vaga, à estrela, à ave, ao relógio, a tudo que foge, a tudo o que geme, a tudo que rola, a tudo que canta, a tudo que fala, perguntai que horas são. E o vento, a vaga, a estrela, a ave, o relógio vos…

Ver o post original 31 mais palavras

Anúncios

Eu quero ser feliz. E é AGORA! 21 setembro, 2013

Posted by Mônica Góes in Comportamento, Estado de Espírito, Música, Vídeos.
Tags: , ,
add a comment

Se joga na primeira ousadia, que tá pra nascer o dia do futuro que te adora.
E bota o microfone na lapela, olha pra vida e diz pra ela…

Eu quero ser feliz agora!

http://m.youtube.com/#/watch?v=hlKunee3cWk

 

Valores reforçados… 14 setembro, 2013

Posted by Mônica Góes in Comportamento, Espiritualidade, Estado de Espírito, Textos.
Tags: , , , ,
add a comment

Algumas mudanças na minha vida reforçaram (e mudaram – muito) certos valores. E hoje acredito que finalmente um texto traduz muito bem o que espero daqui em diante.

Para imprimir e fixar na nossa frente. Basta pouco e podemos ter um vida melhor…

“Viva sua vida de maneira que o medo da morte nunca entre em seu coração. Não incomode ninguém por causa de sua religião; respeite os outros e suas visões, e exija que respeitem as suas. Ame sua vida, aperfeiçoe sua vida, embeleze todas as coisas em sua vida. Procure alongar a sua vida a serviço do seu povo. Prepare uma nobre canção de morte para o dia quando você passar por cima da grande divisa.

Sempre dê uma palavra ou sinal de saudação quando encontrar ou passar um amigo, até mesmo um estranho, quando em um lugar só. Mostre respeito a todas as pessoas e não rasteje para ninguém.

Quando você se levantar de manhã dê graças pelo alimento e para a alegria de viver. Se você não vê nenhuma razão para dar graças, a culpa é apenas em si mesmo. Não Abuse de ninguém e coisa alguma, o abuso transforma os sábios para os tolos e rouba o espírito de sua visão.

Quando chegar a sua hora de morrer, não seja como aqueles cujos corações são preenchidos com o medo da morte, de modo que quando a hora deles, eles chorem e rezem por um pouco mais de tempo para viverem suas vidas outra vez, de uma forma diferente. Cante sua música de morte, e morra como um herói indo para casa.”

Tecumseh (Líder indígena dos Shawnee morto em 1813)

Não posso reclamar de nada… 26 março, 2013

Posted by Mônica Góes in Estado de Espírito, Pensamentos.
Tags:
add a comment

“Não posso reclamar de nada
Se eu tenho você aqui
Iluminando o chão da estrada
Caminho que eu escolhi
Não posso acomodar na fala
As coisas que são pra sentir
É só olhar na minha cara
Pra ver meu coração sorrir
Você foi o melhor presente
Que tão gentilmente a vida me deu
agora é só cuidar direito
É tudo tão perfeito
Entre você e eu”
(Fábio Jr.)

Presentes decididos… 7 janeiro, 2013

Posted by Mônica Góes in Comportamento, Textos.
add a comment

Dá-lhe Ivan…

“Pessoas de todas as idades não sabem direito o que fazer com elas mesmas. Não conseguem escolher entre o casamento e a bicicleta. Trincam de ansiedade. As possibilidades são tantas, as pessoas tão tantas, as vontades são tantas… que paralisa. Acho que dentro de alguns anos vamos começar a perceber as consequências dessa epidemia de indecisão, na forma de gente inteiramente solta, (pipas ao vento, como eu ouvi uma vez), cuja vida passou ao largo dos compromissos afetivos. Lá na frente elas não terão onde aportar – e nem saberão como, na verdade”

http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/ivan-martins/noticia/2011/12/presentes-invisiveis.html